N-Genuino Madruga visitou Comodoro Rivadavia rumo do cabo

January 15th at 12:00am

GENUINO MADRUGA, O NOTÁVEL VELEJADOR SOLITÁRIO VISITOU COMODORO RIVADÁVIA NA SUA SEGUNDA VOLTA .

O valente navegador solitário açoriano conviveu com os Portugueses de Comodoro e continuou a viagem para o Cabo Horn no seu veleiro HEMINGWAY.

A Associação Portuguesa mais austral do mundo teve a honra de ser visitada pelo Comendador Genuino Madruga, o intrépido açoriano que está a circum-navegar em solitário, pela segunda vez o nosso planeta.
Informado que cá havía uma importante comunidade portuguesa, o velejador solitário português, Comendador Genuino Madruga, passou por Comodoro Rivadávia, e ficou 4 dias para conhecer a nossa comunidade.
Depois de uma jornada com ventos fracos e após outra de ventos muito fortes, Madruga chegou umas horas mais tarde do previsto, no dia 10 de janeiro, às tres da manhã. 

O comendador Madruga foi recebido pelo Cónsul Honorário, Comendador Dr. José Maria Amado, e pela Sra. Presidenta da Associação Portuguesa, Profesora Maria Coelho Amado, os que tiveram ao dispor do navegante. Tambêm recebeu as salutações do representante do Presidente da Cámara Municipal, Sr. Secretário Ricardo Fueyo. 

Dom Genuino Madruga realizou uma intensa e diversa actividade nos quatro dias que permaneceu na cidade de Comodoro Rivadávia. Permanentemente esteve acompanhado por seus compatriotas da Associação Portuguesa, os que o convidaram a percorrer a cidade e seus arredores.

Foi requerido pelos meios de comunicação da cidade: os tres jornais, os dois canais de T.V. e as quatro principais emisoras de F.M. todos os quais lhe fizeram extensas reportagens. Ele respondeu a todos com a sua amabilidade e experiência.

Na noite da sexta feira 11 de Janeiro, o Comendador deu uma interesante palestra no salão cultural da Associação Portuguesa, ilustrada com fotografias dos mais diversos cantos do planeta, percorridos na sua primeira viagem. A seguir, foi homenageado com um jantar de convívio, com membros da Associação e do Clube Português. 
No dia sábado 12, foi convidado a almoçar e a fazer um tour por outros locais de interesse, perto da cidade. Pela Noite, concorreu –como convidado de honra- a um concerto de música portuguesa de todos os tempos, e bailes folclóricos portugueses, no Centro Cultural da Cidade, pudendo avaliar o trabalho cultural que realiza a Associação Portuguesa de Comodoro Rivadávia, ficando muito emocionado, nomeadamente quando escutou cantar a Canção do Mar, que o grupo musical “Nosso Jeito” lhe dedicou. Viu - se ao Comendador acompanhar con seus lábios, as letras de algumas canções que “Nosso Jeito” interpretava. Tambêm gostou muito do dançar dos Ranchos Folclóricos da Associação, em particular dos mais pequeninos, “os bonecos”, que lhe pareceram muito engraçados. 
No decurso da reunião, recebeu presentes da Associação Portuguesa, e da Federação de Comunidades Estrangeiras.

Ele agradeceu no final do Sarão com palavras muito comovedoras, que proferiu em português, e que a Profesora Maria Amado traduziu para o público argentino presente. Em resumo, disse: “A energía que trazia nesta viagem, agora está muito mais fortalecida pela amizade que tenho recebido de meus compatriotas nesta cidade, que não esquecerei”... “Quando volte à Horta, e este português tenha completado a volta ao mundo, chegarão comigo todos vocês, na minha memória e no meu coração”.

No dia domingo ao meio-dia, participou do programa radial “Música de Portugal”, inteiramente dedicado aos Açores e à visita do Comendador Madruga a quem a conductora fez uma reportagem. Em horas da tarde, foi despedido pelo Sr. Cónsul Honorário, a Presidenta, o Vice- presidente, o Secretário  e vocais da Associação Portuguesa, junto a outros portugueses, e argentinos num grupo de pessoas muito emocionadas pela personalidade do Sr. Genuino Madruga. No momento em que saiu do porto, foi acompanhado por tres pequenas embarcações que escoltaram a sua saida. 

Em síntese: O amigo Madruga deixou em todos nós um grande orgulho pela coragem de este português que- com tanta simplicidade e humildade- está a fazer a façanha que emula ao grande marinheiro português Fernão de Magalhães. ​

(15/1/2008)